segunda-feira, 9 de novembro de 2009

MODA E OBESIDADE

Vou inicar este post com uma pergunta para a qual, provavelmente, já sei a resposta: você está feliz com o seu corpo? Você se olha no espelho e se sente plenamente satisfeito com aquilo que vê? Independente de você ser homem ou mulher, a probabilidade da resposta ser NÃO é enorme.

A obesidade cresce a olhos vistos na sociedade moderna ao ponto de, no Brasil, já ter ultrapassado o número de desnutridos. É surpreendente que num país onde existem milhares de pessoas abaixo da linha da pobreza, a obesidade tenha se tornado problema de saúde pública.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE em 2003 mostrou que 39,2% das mulheres acima de 20 anos estáva com excesso de peso e 41% dos homens também. Isso é quase a metade da população brasileira.

Pois então se eu, você e todos nós estamos completamente insatisfeitos com a nossa aparência, por que a indústria da moda insiste em enfiar em nossa guela abaixo modelos magrelas e com aparência doentia? E mais do que isso, por que ela ignora completamente uma enorme parcela da população e cria roupas com tamanhos tão pequenos e padronizados quando a diversidade é a marca predominante do nosso povo?



Foi pensando nisso que meu grupo de conclusão da pós-graduação resolveu fazer o plano de marketing para o lançamento de uma grife especializada em tamanhos extras. O projeto ainda está no início, por isso, se você também se sente excluído pelo mundo da moda, por favor, responda este questionário, vai ajudar bastante: http://bit.ly/2F5M8s

6 comentários:

Mari disse...

Eu já respondi!

Mari disse...

Eu já respondi!

Giovana Damaceno disse...

Não sei se esta informação acrescenta alguma coisa pra você. Mas a C7A, por exemplo, é uma anberração nesse aspecto. Os tamanhos G da loja são para adolescentes. Não consigo achar uma camiseta pra mim lá por causa do tamanho. Nem bermuda. A maioria das roupas chamadas casuais não vestem mulheres manequim 44, por exemplo, como eu. Passa lá e faz uma avaliação. Peque uma camiseta regata, por exemplo, e procure o tamanho G. É um P etiuetado com G. Outro dia vesti três bermudas: 42, 44, 46. Todas ficaram do mesmo jeito no meu corpo. Ou seja, não fecharam. E meu tamanho de calça é 42!

Cintia disse...

É verdade, concordo com a Giovana e vou além: não é só a C&A muitas lojas são assim. É difícil mesmo.
Existe um movimento para criar a padronização dos tamanhos de acordo com pesquisa feita com a pop brasileira, até passou uma matéria no Jornal Hoje um dia desses.
Eu tb visto 42/44 e muitas vezes os 46 ficam como se fossem 40! É mesmo complicado.

Cintia disse...

Eu respondi!
Aliás, aqui mesmo em VR existem lojas especializadas e na Leader tem uma sessão com a marca T-Plus que às vezes encontro alguns tamanhos P que ficam bem em mim (tá vendo? mesmo nas marcas especializadas a gente ainda sofre pq os tamanhos são grandes demais - no meu caso que fico no meio termo é complicadinho... rs!).

No disse...

Queriia te dizer, que sou tanaho GG e tambem estou fazendo meu trabalho de ocnclusão da minha faculdade de Design de moda sobre a moda e a obesidade! o pq a moda exclui e descrimina os tamanhos grandes! quero que sabia que se precisa de algo alem do cestionario podem pedir!
bjao enorme.. Marina