segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

EXTRADITAR OU NÃO, EIS A QUESTÃO.

Você já deve ter lido ou visto algo a respeito da crise diplomática entre Brasil e Itália por conta da decisão brasileira em não extraditar o italiano Cesare Battisti, ex-membro de um partido comunista condenado a prisão perpétua por matar quatro pessoas em seu país de origem.

Sou contra a decisão brasileira de conceder privilégio de refugiado a alguém que torturou e matou em seu país. Como decidimos não punir nossos torturadores da época da ditadura, simplesmente passamos a acobertar também assassinos internacionais. Absurdo!

Os italianos devem estar sentindo a mesma sensação de impotência que os brasileiros quando o principado de Mônaco ficou em dúvida se extraditava ou não o bancário Salvatore Cacciola, envolvido no escândalo do banco Marka.

Porém, em momentos delicados como esses é que acabamos vendo o lado verdadeiro das pessoas. Lendo uma matéria sobre o caso, deparei-me com a seguinte frase do ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini: "Isto quer dizer que o país sul-americano põe em dúvida a solidez democrática e constitucional de um país da União Europeia". - Ora, uma frase tão carregada de preconceito não ajuda em nada numa situação como essa, só atrapalha.

Quer dizer que o chanceler italiano acha que as decisões soberanas do Brasil são inferiores às italianas por um ser sulamericano e o outro europeu? Já começo a me questionar se Celso Amorim, Ministro das Relações Exteriores do Brasil, não agiu certo em proteger Battisti de uma possível perseguição política de uma país que se julga acima de tudo e de todos.

4 comentários:

Ambientalistas disse...

Cessel, escolhi seu blog pra uma brincadeira que tá rolando na blogosfera. Detalhes no post: http://aguadonadavida.blogspot.com/2009/02/olha-que-selo-maneiro.html que por sinal tá em destaque aqui ao lado, nos seus links :) Beijos RaquelAlmeida

Kérow More Ice disse...

Bem, o que eu tenho a dizer é o mesmo que vc disse no último parágrafo:

Quer dizer que o chanceler italiano acha que as decisões soberanas do Brasil são inferiores às italianas por um ser sulamericano e o outro europeu? Já começo a me questionar se Celso Amorim, Ministro das Relações Exteriores do Brasil, não agiu certo em proteger Battisti de uma possível perseguição política de uma país que se julga acima de tudo e de todos.

Kérow More Ice disse...

ATUALIZA ISSO!

Mari disse...

Certo...é de fato uma frase cheia de preconceito, mas nós mesmos colocamos em dúvida as ações da Justiça brasileira.
E eu? Eu não leio mais nada, agora serei alienada, decidi que é melhor assim.