segunda-feira, 12 de outubro de 2009

CACHORRO É TUDO DE BOM



Meu cachorro, o Snoppy, primeiro e único que tive na vida, morreu há alguns anos. Apesar dele ter sido meu, ele escolheu o meu pai para chamar de dono, eu era só mais um habitante da casa que apertava suas orelhas e fazia vista grossa quando ele deitava sorrateiramente no sofá sem minha mãe saber.

O João, era o apelido dele, tinha verdadeira paixão pelo meu pai. A devoção que ele tinha era o mais puro exemplo que se tem de o cão ser o melhor amigo do homem. Estava próximo de seu dono mesmo quando faltava um pouquinho de paciência e o carinho dava lugar à bronca.

Minha casa nunca mais foi a mesma desde que esse cachorro se foi tragicamente em 22 de janeiro de 2006. Nunca mais houve espaço para nenhum outro cachorro correr atrás de uma bolinha ou fazer xixi na plantinha do quintal. Meu pai então, chora todas as vezes em que deixa vir à memória os momentos que passaram juntos. O Snoopy se foi, mas não foi sozinho, levou consigo um pedacinho de cada um de nós, a família que o tirou da rua quando ainda era só um filhotinho indefeso.

Resolvi falar sobre o João aqui depois de ver uma propaganda da Pedigree no YouTube. Não tem como não sentir saudades a cada vez que vejo um comercial dessa marca. Eles conseguem capturar com perfeição o amor que cada dono sente pelo seu cão. Se você gosta de animal, independente de ter ou não um cachorro, certamente já se emocionou com um comercial dessa marca de ração.


Somos loucos por filhotes

Eu não sei quando terei um cachorro novamente, mas de uma coisa tenho certeza, ele comerá Pedigree!

3 comentários:

Kérow More Ice disse...

Nossa, essas propagandas me comovem muito! E esse slogan genial? "Cachorro é tudo de bom" - e é mesmo!

Mana's Artes disse...

eu amooooooooooo cachorro, nem preciso dizer, neah?
e quanto às propagandas da pedigree, me emociono mesmo (choro!).
ah, mas meu cachorro não come pedigree não - se eles gostasem tanto assim de cães deviam cobrar menos pela ração! rsrsrs...

Mari disse...

O Snow é meu mas ele escolheu a minha mãe como dona. Eu nem gosto de imaginar que ele viverá muito menos do que nós.